quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Ainda...






Ainda que o tempo percorra o infinito,
E penetre na mais profunda imensidão do sentir.
Ainda que a lembrança esquecida seja recordada,
No momento em que o fim se aproximar.
Ainda que tudo se torne oco,
E o vazio preencha os espaços formando o nada.
Ainda que em mares distantes,
Haja sobreviventes da liberdade perdida.
Ainda que não importa onde nem porque,
O que venha a acontecer,
Não será nada se tudo estiver longe de você.

10 comentários:

Alexandre Terra disse...

mt bom......vc escreve mt bem! parabens pelo texto!

Pobre esponja disse...

Se uma menina falar isso pra mim já agarro, num aguento. Não achei que iria terminar falando de amor, me surpreendeu o final.

bj
Pobre Esponja

. Yuri Barichivich disse...

Lindo poema ;D
O final foi bastante diferente do esperado, romantico.

VerbALL/

Siga-nos @blogverball

Clari Mendes / Stella Medeiros disse...

Que bonito! Também me sinto assim em relação à alguém... ^^ Parabéns! Clari Mendes

Daniele Amorim disse...

adorei o teu blog, aproveitei para te seguir também e agradecer por seguir-me também ^^

Arcanjo disse...

Romântico! Aprecio poemas e textos românticos, parabéns.

Tenha uma boa tarde!

Rodrigo Neves disse...

Liindo texto , gostei não só desse mais dos outros tambéem.

parabéeins , beijos!

Poesias-Fran.R.M disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Poesias-Fran.R.M disse...

Muito lindo e romântico seu poema, sem estar com a pessoa que amamos, não será nada.

*___*
Como sempre Parabéns! :D

Lauana Gomiero disse...

Muito lindo!

Tu escreve maravilhosamente bem!

Parabens!

É um prazer estar aqui em teu blog.

Estou lhe seguindo.

Postar um comentário