sábado, 30 de janeiro de 2010





Ela escreve cartas que jamais serão enviadas.
Relatando sentimentos escondidos em seu interior vazio e solitário.
São escritos sinceros e com tamanha profundidade, onde não há vagas para o pudor.
Como um simples pedaço de papel faz milagres?
Como palavras que jamais serão lidas, são regurgitadas de tal forma, onde no momento que seus sentimentos são expressos em palavras, sua alma se purifica?
Mas ela sofre, chora... A solidão já não lhe faz companhia,
Em um momento tão desafiador, ela dialoga com as linhas corridas e apagadas,
Vazias, mas que compartilha no instante em que surgem as primeiras frases.
Ela conta seus segredos mais profundos.
Nas entrelinhas a verdade aparece,
Porém, após longa conversa,
Tudo se perde.
Vira lixo.
Podridão.
E ela se cala.

2 comentários:

Laura Gelbecke disse...

Pedaços de papel...cada carta, recado, mensagem merece ser guardado. e como é bom relê-los tempos mais tarde.

Jards Rangel disse...

Seu blog cultivou em mim uma nova maneira de postar...

http://agb2009.blogspot.com

Postar um comentário